sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Ponte do São Gonçalo: Aviso aos Navegantes

Os problemas com a ponte ferroviária sobre o canal São Gonçalo entre Pelotas e Rio Grande, são antigos. O vão central que é levadiço ( na foto sendo erguido na aproximação do veleiro Relax) e dá passagem às embarcações que navegam de um lado para o outro , de tempos em tempos fica impedido de ser acionado por algum tipo de avaria. Há alguns anos, por falha operacional, o vão ficou suspenso durante a travessia de uma composição ferroviária e os vagões mergulharam no canal ocasionando a morte do maquinista.
O episódio mais recente ocorreu dia 2 de fevereiro, às 16 horas, provocando a retenção, pelo lado da eclusa, de algumas embarcações que retornavam, entre as quais o veleiro Aquarios e a lancha Maria do Carmo, vista na foto abaixo diante da ponte fechada, que iria acompanhar a Procissão de Navegantes com turistas a bordo.
Segundo as informações mais recentes a normalização do serviço só se dará dentro de alguns dias.
Com a transferência do controle do transporte ferroviário para a América Latina Logística (ALL), a empresa assumiu também a responsabilidade pela conservação da ponte . A questão que fica em aberto é saber até que ponto a empresa prioriza este serviço que, na prática, é desnecessário para as suas operações representando apenas uma atribuição a ser mantida para a viabilidade da navegação e não do próprio transporte ferroviário. Os defeitos apresentados periodicamente parecem demonstrar algo que é bem visível a todos quantos tenham que passar sob a ponte com suas embarcações: a má conservação da sua estrutura. Como, no momento, a navegação que demanda o serviço é constituída basicamente por pequenas embarcações de pesca e veleiros que exigem o içamento do vão até o topo, pode-se suspeitar que a atenção para o pleno atendimento do serviço não seja das maiores. Contratempos de quem se propõe a aproveitar as riquezas da navegada pelo São Gonçalo aos quais podem se somar, eventualmente, algum outro proporcionado pela passagem pela eclusa. Isto enquanto não sai a ponte em Santa Isabel, proposta por um deputado da região, que poderia se constituir em mais um obstáculo a ser enfrentado pela navegação comercial contrariando o anúncio reiteradamente feito de sua reativação desde a Lagoa Mirim.

7 comentários:

  1. Bom Dia
    Como tudo tem que ser pago pode ser que esteja para acontecer a cobrança de pedagio pelo serviço,
    Para poder ser eficiente?
    È só o que falta.
    Ainda bem que pelo vento nunca haverá cobrança... Será?

    Nelson Artur Arce

    ResponderExcluir
  2. Crônicas do Flotilha6 de fevereiro de 2010 06:45

    Nelson, bem lembrado... creio até que há precedente nos Estados Unidos... pelo menos para atravessar ponte por meio rodoviário sei que existe...

    ResponderExcluir
  3. Grande Cmt. Paulo
    Acompanho sempre a "Flotilha", e está cada vez melhor, parabéns.
    Abraço e bons ventos
    Paulo Bohrer

    ResponderExcluir
  4. Crônicas do Flotilha6 de fevereiro de 2010 06:56

    Bohrer, há quanto tempo! É uma grande satisfação saber que temos nos acompanhando navegadores que, como tu, constituem a verdadeira frente avançada de nossa náutica.

    ResponderExcluir
  5. Amigo Paulo passar na ponte ferrea é uma loteria pois o bilhete pode ser de ida mas não o de volta .Por várias vezes fiquei preso ,na ponte e na barragem .
    Acho que o canal do São Gonçalo e a Mirin não merecem esse desrespeito. Agora pergunto: onde estão os orgãos competentes que não deve se deixar um canal de navegação por mais de 24 horas interrompido ?
    Estou para ir navegar na Merin será que consigo voltar sem problemas...
    ou até mesmo passar daqui para lá?
    Que criem vergonha na cara e se mexam .
    Um grande abraço deste comandante que muito pretende passar embaixo daquela ponte.
    Newton e Maria Theresa - Colibri

    ResponderExcluir
  6. Cmte Newton, bom ter a manifestação de um "usuário" frequente da ponte levadiça. O que parece transparecer dos reiterados problemas com a ponte é que ela não tem a devida manutenção.E isto, sem dúvida, porque não se entende que tenha tanta importância.No caso deste última interdição, no entanto, um dos barcos retidos fazia passeio de turismo.Muito se fala em incentivar o turismo náutico na região, pelo São Gonçalo principalmente, mas incidentes deste tipo, por certo, não são animadores.

    ResponderExcluir
  7. Por favor gostaria de uma informação, o telefone ou o email de contato com Nelson Artur Arce,obrigada aguardo resposta, Mirian
    email: mirianrodeghiero@gmail.com

    ResponderExcluir

Obrigado por fazer um comentário. Brevemente ele será publicado