quinta-feira, 17 de julho de 2014

domingo, 13 de julho de 2014

Festival Náutico de Faversham

                                                                                    Faversham , no capítulo das incursões fora
de Londres, revelou-se um encerramento em alto estilo.
Cabe mencionar que isto devo aos contatos mantidos durante um bom tempo com Sue Cooper, antes uma correspondente e, agora, uma amiga que ganhei em Faversham.
Minha presença coincidiu com a realização anual do Festival  Náutico de Faversham o que foi particularmente oportuno pois tive a possibilidade de estar em contato, simultaneamente, com os vários aspectos da cultura marítima da cidade e com várias pessoas envolvidas no projeto. 
Na foto do topo estou na companhia , à minha direita, de Brian Pain, proprietário da thames barge "Lady of the Lea" , e do outro lado, de Eldon Hichliffe. 
Faversham é um cidade com cerca de vinte mil habitantes, portanto bem pequena, mas com uma história que remonta aos romanos e com uma tradição náutica de dimensões e profundidade surpreendentes.
Como um ponto muito importante desta tradição é importante citar a preservação de Standard Quay um trecho de cais dentro de Faversham Creek onde, historicamente,  thames barges eram reparadas. 
No entanto Standard Quay está seriamente ameaçado, já tendo sofrido  modificações, pela compra da área por um incorporador que pretende construir habitações, de até cinco andares, além, dependendo do impedimento que tenha para construir casas, de bares e lojas.
Um grupo de interessados na preservação náutica do local e dentro da perspectiva da própria importância turística para a economia da cidade , tem mantido uma luta para reverter este projeto.
Tive a oportunidade , durante minha permanência  em Faversham, de conhecer vários aspectos desta luta dando inclusive meu depoimento sobre a questão para o jornal local Faversham News e em entrevista gravada em vídeo. 
Lembrei, na oportunidade, a experiência que eu próprio tenho vivenciado para salvar o Rebocador a Vapor Silveira Martins do sucateamento e levar adiante o projeto da criação do Museu do Barco.
Entre as pessoas que conheci em Faversham, envolvidas de diferentes formas com a questão da preservação de Standard Quay , lembraria neste momento Ben White mas foram muitas, algumas com um envolvimento deveras importante que procurarei explicitar mais adiante.
Mas além dos aspectos náuticos pude também conhecer um pouco da vida desta encantadora cidade incluindo, inevitável, alguns pubs, em especial The Anchor.
Ao final do segundo dia, depois de acompanhar a festa promovida junto a Faversham Creek e de ter sido interpelado por Bruce Roberts ( sim, Bruce Roberts em pessoa) que ouviu falar da presença de um brasileiro no Festival , ainda encontro uns minutos, antes de partir , para tomar com Sue uma última cerveja  num pub ao lado da estação. 
E a seguir , já com o tempo se esgotando, apresso-me para tomar o trem que no horário previsto de 19:58 ,  desperta dentro de si uma força gigantesca e começa a movimentar sua massa descomunal com uma precisão que dá a idéia de que obedece a um poder superior.
E talvez até obedeça enquanto se lança à alta velocidade rumo de volta a Londres
Só tenho que me deixar levar, aproveitando o tempo do percurso, uma hora, para ficar escrevendo no notebook , descer na estação King’s Cross St. Pancreas e tomar  o underground da Northern Line para Colliers Wood onde os felinos Homer e Oliver me esperam.
Ficariam muito decepcionados se eu não voltasse e a  última coisa que quero em minha vida é decepcionar um par de gatos tão especiais.

 . .

quarta-feira, 9 de julho de 2014

A bordo da "Hydrogen"


A bordo da barca Hydrogen com meu amigo Des Pawson criador do The Knots Museum.
A barca está ancorada em South West Quay no Orwell River, Ipswich e é empregada em passeios e eventos.
Des Pawson é considerado uma autoridade mundial, com livros publicados, no estudo e conhecimento do emprego e tipos de nós náuticos.
Ipswich é uma cidade com cerca de 150 mil habitantes, ao norte de Londres, a uma hora de trem, com inúmeras e valiosas referências náuticas.

domingo, 6 de julho de 2014

Navegando no São Gonçalo: calmaria



Fabricio Fonseca, membro do grupo FLOTILHA.COM , relata a cooperação oportunizada pela embarcação Gilberto,  retornando de um fim de semana na Ilha Grande com os tripulantes Francisco Fonseca e Sergio Ferraz Fonseca, ao rebocar o veleiro Miura do Comandante Pepe .
Segundo Fabricio, o veleiro Miura , com problema no motor, já vinha sendo rebocado pelo veleiro Tobias quando avistaram os dois.                                                                 Em condições de total calmaria o reboque propiciou  às três embarcações chegarem juntas a tempo de passar na eclusa das 11 h.  
Parabéns Comandante Fabrício!